PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

A Justiça ou a Lei

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 5.4.2018


Qual é o papel do poder judiciário? Garantir o cumprimento da lei, ou estabelecer a “justiça” e a moralidade pública no Brasil? Escrevo entre aspas a palavra justiça, ao fazer essa pergunta, porque esse é o valor maior de cada sociedade, mas é também o mais discutível. E porque estou preocupado com a crescente politização e relativa desmoralização do judiciário.
Em qualquer país democrático, cabe ao judiciário interpretar e executar a lei. No Brasil, a partir da operação Lava Jato, o judiciário resolveu implantar a justiça. Qual justiça? Aquela que está na cabeça de cada um dos seus membros. Pratica, portanto, o arbítrio em nome da justiça: conduções coercitivas de cidadãos para depor, prisões provisórias que se estendem no tempo, condicionar a soltura ao preso fazer a delação.
Esta confusão entre a justiça e a lei explica o último artigo de André Singer, na Folha de S. Paulo (24/3/2018). Ele se pergunta por que, na última decisão do Supremo Tribunal Federal, votaram contra Lula os juízes que foram nomeados por ele, e, portanto, que seriam progressistas, e, a favor dele, os mais conservadores. A resposta é, provavelmente, porque os primeiros decidem em nome da justiça que eles próprios definem; os segundos, em nome da lei que foi democraticamente decidida pela sociedade.
Isto significa que é preciso aplicar sempre a lei? Não, é preciso, em certos casos, desafiar a lei que é injusta, e, sempre, mudar a lei que não presta. Para isto existe o poder legislativo. Para isto existem a cidadania, os movimentos sociais, e os partidos políticos. O Supremo Tribunal Federal existe para interpretar a Constituição e declarar a inconstitucionalidade das leis, mesmo que estas pareçam justas. Esta é a função precípua do STF. E é exatamente isto que o STF não está fazendo nesta crise política que envolve duas leis com o mesmo problema de constitucionalidade: a lei que determina a prisão daqueles que foram condenados em segunda instância, e a lei da ficha-limpa, que proíbe de se candidatar o político que foi condenado em segunda instância.
Podemos pensar que essas duas leis são “justas”, mas elas evidentemente ferem uma lei maior, a Constituição, e são, portanto, inconstitucionais, porque ninguém pode ser punido sem que sua condenação tenha transitado em julgado. Esse é um princípio de direito, que está na base de qualquer sociedade democrática.
Por que essas leis foram aprovadas e promulgadas com este pecado constitucional? Porque o processo penal, no Brasil, é origem de impunidade judicial ao dar aos réus já condenados em segunda instâncias recursos e mais recursos para evitar a sentença final. Era o processo penal que deveria ter sido mudado, mas o lobby dos advogados criminalistas é muito forte, e se preferiu dar o jeitinho de inventar a pena antes da sentença transitar em julgado.
É isto que precisa ser definido de maneira definitiva para terminar com a incerteza reinante. O STF já decidiu pela constitucionalidade da lei da prisão, mas por uma maioria mínima; e a decisão foi tomada sem convicção, porque o problema da inconstitucionalidade incomoda cada um dos seus membros. Nada decidiu em relação à lei da inelegibilidade, mas os ministros sabem que também essa bela lei é inconstitucional. Dei-me conta desse fato ao ler, no Valor (27.3.2018), a informação do excelente jornalista Raymundo Costa que “há umas duas dezenas de prefeitos eleitos em 2016 que estão no cargo graças a liminares ainda não julgadas concedidas a candidatas e candidatos ficha-suja”.
Foi esta afirmação que me fez escrever este artigo. Por que o Supremo não definiu, ainda, o problema da inconstitucionalidade da lei da ficha-limpa? E por que não resolve de forma definitiva o problema da prisão antes da sentença transitar em julgado? Porque isto beneficiará bandidos conhecidos, como Eduardo Cunha e Sergio Cabral, me dizem, e é verdade, mas para resolver o problema temos que reformar o processo penal. Porque a operação Lava Jato perderá força, acrescentam. Talvez esteja na hora disto acontecer, porque para aplicar a justiça essa operação vem reiteradamente desrespeitando os direitos civis das pessoas. Porque Lula poderá se candidatar. O que é muito bom, porque sua condenação foi claramente injusta. E principalmente porque a prisão após condenação em segunda instância é definitivamente inconstitucional.
  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br