PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Luta de classes neoliberal

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no facebook, 5.7.2018

A economia brasileira enfrenta uma crise de longo prazo desde 1990, que resultou em desindustrialização e baixo crescimento, e uma crise econômica desde 2014 definida por uma crise fiscal, uma forte recessão e uma recuperação muito lenta.
Qual a causa fundamental dessa dupla crise? No longo prazo, é a armadilha dos juros altos e do câmbio sobreapreciado, que inviabiliza o investimento na indústria. No curto prazo, é a crise fiscal que impede que o governo realize uma política fiscal expansionista de caráter contracíclico e ampliar o investimento público. O pano de fundo dessas duas crises é o populismo fiscal – é o Estado gastar irresponsavelmente mais do que arrecada e incorrer em déficit público elevado; e o populismo cambial – é o estados-nação (o Brasil, seu setor público e seu setor privado) gastar mais do que arrecada e incorrer em déficit em conta-corrente.
Esta é a visão novo-desenvolvimentista, de centro-esquerda, que defendo. A solução é o ajuste fiscal, cortando a despesa corrente do Estado, não o investimento público; é baixar os juros; é administrar a taxa de câmbio impedindo que ela se aprecie; é aumentar a rentabilidade da indústria, tornando-a competitiva; é fazer a reforma da previdência, aumentar os impostos, e estimular o investimento público e privado na infraestrutura. Essa é uma política que exige sacrifício dos trabalhadores e principalmente dos rentistas, que resistem à baixa dos juros, e não querem nem ouvir falar em depreciação do real.
A perspectiva dos liberais ou da direita é muito diferente. Para eles existem apenas dois problemas – o populismo fiscal e os salários altos demais (que “não cabem no PIB”). A proposta é reduzir os salários através do ajuste fiscal que corte indiscriminadamente despesa corrente e investimento, é diminuir os direitos trabalhistas dos trabalhadores, e diminuir as despesas sociais do Estado; é manter a taxa de juros elevada e a taxa de câmbio apreciada.
A perspectiva liberal ou neoliberal é de luta de classes de cima para baixo. Os custos do ajuste ficam apenas para os assalariados. Não se mexe nos juros nem no câmbio; os rendimentos dos rentistas ficam, assim, plenamente preservados.
Hoje, as elites brasileiras, inclusive as industriais, estão dominadas por essa perspectiva. Por essa visão das coisas que está em plena crise nos países ricos, onde a ordem neoliberal está ameaçada pelo populismo de direita. Elas não hesitaram em apoiar um golpe parlamentar; e agora parecem estar dispostas a apoiar até um candidato fascista para impedir que um candidato de centro-esquerda seja eleito. Não é surpreendente que rentistas e financistas ajam assim; eles não têm compromisso com a nação e seu povo. É, porém, muito triste ver também empresários embarcando nessa luta de classes neoliberal que manterá a economia brasileira semiestagnada e a população cada vez mais indignada.
  

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br