PUBLICIDADE  
 
 
 
HOME SOBRE BRESSER-PEREIRA PÁGINA NO FACEBOOK
BONS ARTIGOS QUE LI BONS FILMES QUE ASSISTI

BRAZILIAN JOURNAL OF POLITICAL ECONOMY

OLHAR O MUNDO FALE CONOSCO
 
  Tipos de trabalhos  
 

Quem é/Who is

A guide to my work
Currículos / CVs
Short cv & bio
Textos autobiográficos
Textos sobre Bresser-Pereira





Livros

Livros
Livros na íntegra
Livros organizados (edited)

Trabalhos acadêmicos

Papers
Pequenos textos, prefácios, etc.
Texto para Discussão
Apresentações / Slides
Programas / Syllabus
Documentos & Relatórios

Trabalhos na midia

Artigos de jornal
Entrevistas
Notas no Facebook
Vídeos e Áudios

Método, perfis, outros

Método científico
Cartas
Perfis de pessoas
Críticas de Cinema

Outros idiomas

Works in English
Oeuvres en Français
Trabajos en Español

Novo Desenvolvimentismo

Novo Desenvolvimentismo (textos básicos)
Desenvolvimentismo Clássico (textos básicos)
Novo Desenvolvimentismo (economia política)
Novo Desenvolvimentismo (teoria econômica)
Novo Desenvolvimentismo (aplicado)
Novo Desenvolvimentismo (contribuições e críticas de terceiros)

Sociedade-Capitalismo

Teoria social - textos básicos
Teoria social (todos)
Capitalismo e modernidade
Classes e tecnoburocracia
Revolução Capitalista e ...
Revoluções, Revoltas e Movimentos
Globalização
Organização administração
Estatismo e URSS

Política

Teoria política - textos básicos
Teoria política (todos)
Teoria do Estado
Sociedade civil
Republicanismo e direitos de cidadania
Teoria da Democracia
Ciclos do Estado
Populismo político e econômico
Nação e nacionalismo
Social democracia e esquerda
Neoliberalismo e globalismo

Política brasileira

Interpretações do Brasil
Pactos políticos e coalizões de classes
Democracia no Brasil
Teoria da Dependência
História intelectual
Política Externa
Burocracia pública
Empresários e administradores
Reforma da universidade
Conjuntura Política
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial do Brasil

Economia

Teoria econômica - Textos básicos
Teoria econômica (todos)
Teoria do Desenvolvimento Econômico
Crítica da teoria neoclássica
Desigualdade e Distribuição
Teoria macroeconômica
Política e Economia
Câmbio e poupança externa
Câmbio e Doença Holandesa
Câmbio e crescimento
Crises econômico-financeiras
Dívida externa
Investimentos e taxa de lucro
Inflação
Inflação inercial
Comércio e integração
Economia mundial
Crise global de 2008

Economia brasileira

Economia brasileira até 1979
Economia brasileira 1980-2002
Economia brasileira desde 2003
Quase-estagnação desde 1980
Populismo econômico
Desindustrialização
Crise fiscal do Estado
Planos de estabilização
Plano Bresser

Países e regiões

Relações internacionais
América Latina
Argentina
Estados Unidos
Europa

Trabalhos de terceiros

Bons artigos que li recentemente
Reforma Gerencial - Terceiros
Cursos
Debate sobre "Crescimento com Estabilidade"(2001)
Projeto Brasil Nação - Notícias e Comentários

Ações / Ministérios

Ministério da Fazenda
Plano Bresser
MCT Ministério da Ciência & Tecnologia
Fundação Getulio Vargas, São Paulo

MARE - Ministério da Reforma do Estado

Documentos da Reforma
Reforma Gerencial - Teoria
Reforma Gerencial - Brasil
Reforma Gerencial - Terceiros
Agências Executivas e Reguladoras
Organizações Sociais
Gestão da Saúde
Gestão da Educação
Implementação Nível Federal
Implementação São Paulo
Implementação Minas Gerais
Implementação Outros Estados
Bibliografia da Reforma da Gestão Pública
Cadernos MARE
América Latina: Declaração de Madri (Clad)
Leis sobre Organizações Sociais
 
 
 

 

Quem pagará? Às custas de quem?

Luiz Carlos Bresser-Pereira
Nota no Facebook, 2.9.2018

Hoje, os dois jornais de São Paulo circularam com quatro páginas inteiras de anúncio da Escola Concept, e leio na Folha uma notícia semelhante: “Marca de luxo francesa lança xampu por R$ 330,00”. Quem pagará por esses luxos? Não é o povo, não é a classe média tradicional, não são sequer os relativamente ricos. São os muito ricos, são os defensores do liberalismo econômico vigente no Brasil desde 1990. Mas em troca essas elites, que pensam educar seus filhos para serem semideuses, oferecem o desenvolvimento econômico que beneficia a todos?
Não é o que leio na mesma Folha, onde a repórter Erica Fraga nos informa que “o governo Temer termina marcado pelo pior ciclo de crescimento em cem anos”. Estudo do economista Fernando Montero mostra que na atual década (2011-2020) a expansão média do PIB por habitante estará próxima de zero. Desde 1980, o PIB cresceu 1,6 por ano; o PIB por pessoa, portanto, cresceu menos do que um por cento ao ano.
A economia brasileira está, portanto, semiestagnada há quase quarenta anos. Percebi este fato pela primeira vez em 1999, e escrevi um trabalho a respeito; voltei ao tema em 2007, ao publicar o livro, Macroeconomia da Estagnação, quando o boom de commodities levava a direita e a esquerda a acreditarem que “o Brasil voltará ao desenvolvimento”. Insisti no tema em 2014, quando o país entrava em grave recessão. Voltei ao tema no livro que acaba de ser publicado, Em Busca do Desenvolvimento Perdido. Enquanto isso, a direita sonha com os anos dourados de FHC, que na verdade foram de crise e baixo crescimento, e a esquerda, com os anos dourados de Lula, que só foram melhores porque havia um boom de commodities e um compromisso com os pobres.
O Brasil não cresce desde 1999 porque suas contas macroeconômicas são deficitárias (a conta fiscal e a externa) e os seus preços macroeconômicos estão errados. Porque a taxa de juros é muito alta, a taxa de câmbio é apreciada no longo prazo, só se depreciando nos momentos de crise como a atual, e a taxa de lucro das empresas industriais é muito baixa quando não é negativa, impedindo que elas invistam e criem empregos. A taxa de lucro industrial é muito baixa porque a esquerda romântica acredita que câmbio apreciado garante bons salários para os trabalhadores, e porque a direita liberal está feliz com os juros que os muito ricos e a classe média tradicional, rentistas e financistas, recebem.
Felizes mesmo estão apenas os muito ricos que mandam seus filhos estudar em escolas alienadas e muito caras e compram xampu de R$ 300,00. A classe média tradicional, que inocentemente apoia o liberalismo econômico reinante no Brasil (que é próprio das “pessoas de bem”) não se dá conta que essa forma de coordenar o capitalismo é essencialmente causadora de baixo crescimento e crescente desigualdade. A alternativa desenvolvimentista pode ser também causadora de semiestagnação, como aconteceu com o governo Dilma, mas se for uma política econômica moderada que garanta o equilíbrio fiscal, o equilíbrio da conta-corrente, e preços macroeconômicos certos, o Brasil voltará a crescer. Vemos esses pontos na política econômica proposta nos programas de Lula e Ciro Gomes. Se, adicionalmente, essa política for adotada com competência política, há uma esperança: os assalariados e a classe média poderão voltar a conhecer o desenvolvimento.
Há aí, portanto, uma oportunidade – que não existe no caso do regime de política econômica liberal, que é dominante no Brasil desde 1990. Um governo liberal pode restabelecer o equilíbrio fiscal no Brasil, mas certamente não garantirá o equilíbrio cambial, porque seus economistas apostam no “crescimento com poupança externa” e na “austeridade”, a primeira causando do aumento do consumo e perda de competitividade das boas empresas industriais no Brasil (inclusive as multinacionais), a segunda sendo uma forma de fazer que o ajuste macroeconômico necessário seja pago apenas pelos assalariados, ao invés de ser dividido entre eles e os rentistas.
Sim, os muito ricos pagarão por seu luxo, mas continuarão a fazê-lo às custas dos trabalhadores e das classes médias. E tendo como bandeira a liberalismo econômico. Assalariados e classes médias só realmente se beneficiarão se o Brasil, afinal, voltar a crescer com base em um projeto nacional de desenvolvimento que garanta o equilíbrio macroeconômico e promova a diminuição gradual da desigualdade econômica.

 

 

 

© Direitos Autorais Bresser-Pereira
São Paulo - SP | ceciliaheise46@gmail.com

 

Desenvolvido pela E-Xis | www.e-xis.com.br